Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

politicaxix

politicaxix

16.Mar.05

Um conto de fadas

O trotskista Francisco Louçã e os seus amigos da Esquerda do caviar e do marisco continuam a divertir-se à grande a brincar aos políticos. Desta vez apresentaram as suas brilhantes soluções para resolver a grave crise que o país atravessa. Essas novas soluções são a despenalização do aborto e a legalização dos casamentos homossexuais, mas convenhamos que também não seria muito difícil de adivinhar o que poderia sair de um partido como o BE.

Com o país em recessão, dois milhões de pobres, um défice fora de controlo, o desemprego a crescer, os cidadãos a perder poder de compra, a Segurança Social à beira da falência, a criminalidade a aumentar... o que mais preocupa o BE é que as meninas possam fazer abortos e os homossexuais possam usar alianças nos dedos. Mas o mais grave de tudo isto é que, com a influência que o BE exerce sobre a comunicação social, é bem capaz de conseguir pôr o país a falar nos “seus temas”, nos quais Louçã aparece como um paladino salvador da pátria, e deixar para segundo plano os verdadeiros problemas do país. Veja-se por exemplo a táctica usada aquando do caso do “barco do aborto”, trazido a Portugal por um apêndice do BE denominado “Associação Não te Prives” e que durante longo tempo encheu as páginas dos jornais e ocupou os telejornais.

Nestas circunstâncias é legítimo questionar: será que o BE vive no país real ou vive num conto de fadas? Efectivamente o BE vive no seu conto de fadas, e tem duas boas razões para esquecer os problemas do país real.

A primeira razão é a de que o BE não tem soluções para os verdadeiros problemas do país e assim convém desviar as atenções para terrenos mais favoráveis. Exceptua-se o problema do desemprego. Em frente aos desempregados, a fada Louçã chora lágrimas de crocodilo jurando despudoradamente fazer todos os possíveis para reduzir o desemprego e resolver o problema com a sua varinha de condão. A verdade é bem distinta: tudo o que o BE defende é conducente a um aumento do desemprego, nomeadamente a rigidez do código laboral, a abolição de barreiras alfandegárias e a legalização de imigrantes ilegais. Para combater o desemprego são necessárias medidas difíceis e eventualmente impopulares. São medidas feias que não cabem no bonito mundo de fadas em que se instalou a Esquerda do caviar e do marisco. Quanto aos restantes problemas do país, o BE assobia e olha para o lado. Não apresentam soluções, sabem que já mentiram o quanto baste a respeito do desemprego.

A segunda razão prende-se com o tipo de eleitores e público alvo do BE. Dado que é difícil ganhar votos entre a população adulta, normalmente fiel no seu voto e com ideias já solidificadas, o BE vira-se para as camadas mais jovens e mais permeáveis. Naturalmente que os adolescentes e adultos com mentalidade de adolescente que compõem a grande massa de eleitores do BE não é sensível a discursos sobre défices, macroeconomia ou inflação. Pelo contrário são sensíveis a temas mais associados à juventude como a despenalização do aborto ou das drogas leves e a questões de “valores” como os direitos dos homossexuais ou o bem-estar dos animaizinhos. Tudo temas simples, destinados a pessoas com pouco sentido crítico e de capacidades intelectuais limitadas.

Resize of fada3.gif
O "pedo-político" Francisco Louçã abordando as criancinhas

Claro que as crianças seduzidas por esses bonitos “temas de princípios”, e sem qualquer conhecimento sobre fundamentos ideológicos tenderão a adoptar a ideologia do “seu” partido e a aprender tudo o que a sua boa fada madrinha lhes ensinar. Quanto mais jovens os prosélitos, mais fácil será levar a cabo a verdadeira lavagem cerebral que caracteriza os genuínos Bloquistas. Os pais das crianças, esses revelam-se agradados com o empenhamento dos filhos em “causas” sem saber onde essas “causas” os levam. O futuro é negro... vem a caminho uma nova geração de trotskistas, que não sabem o que é o trotskismo, e que confundem política com “causas”.

1 comentário

Comentar post

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2006
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2005
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D