Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

politicaxix

politicaxix

11.Mai.05

Rescaldo da IV Convenção do Bloco de Esquerda: À Esquerda nada de novo

circoBE.jpg


Decorreu no passado fim de semana em Lisboa a IV Convenção Nacional do Bloco de Esquerda. Foram a votos duas moções: uma subscrita por Francisco Louçã, Miguel Portas, Ana Drago, Alda Macedo, Fernando Rosas e João Teixeira Lopes e que se intitula "O Bloco como alternativa Socialista" e outra, que dá pelo nome de "Por uma Plataforma de Democracia Socialista", assinada por descontentes com a direcção, entre os quais a ex-terrorista e ex-presidiária Helena Carmo, presa na sequência caso FP-25.

A ala terrorista-renovadora do BE lançou duras críticas à direcção, acusando-os de uma postura ditatorial onde aos militantes são tratados como carneiros aos quais se diz onde se devem manifestar e quais as palavras de ordem a usar, mas aos quais não se dá o direito de opinar sobre o assunto, “Queremos que a discussão seja construída no terreno a cada passo e que não seja servida aos activistas como um prato pronto a pôr no terreno sem exigir a sua capacidade crítica“, e exigiu também que "a democracia participativa seja exercida no Bloco de Esquerda". A direcção ouviu sem bater palmas. Diga-se em abono da verdade que o BE sempre foi uma espécie de “Pronto-a-pensar” onde as ideias são fornecidas aos seus activistas prontas a consumir poupando aos militantes do Bloco o trabalho de usar o cérebro.

Na resposta, o demagogo Fernando Rosas acusou a moção concorrente de "demagogia", por querer "concorrer à direcção sem uma proposta política".

A convenção ficou também marcada por duras críticas da direcção, talvez inspirada pelos críticos, à linha Estalinista do PCP, os quais foram acusados de anti-democratas. Estas críticas podem no entanto ser também interpretadas como um acto intimidatório do sector Trotskista do BE no poder, em relação aos descontentes com a actual direcção do partido.

Quanto ao resto, aparte algumas questões sobre as autárquicas e sobre a eventual adesão ao Partido da Esquerda Europeia, em termos de ideias esta convenção foi uma repetição das anteriores. À Esquerda nada de novo.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2006
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2005
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D