Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

politicaxix

politicaxix

17.Jun.05

Pelo direito à diferença

Para quem luta pelo direito à diferença, não há nada como exercer esse direito. Foi o que fez Ana Drago hoje no parlamento. Hoje, a Ana foi mais que Drago. Foi a menina reguila no meio de adultos sérios, foi a pequena ditadora estalinista no meio de democratas (com excepção dos seus colegas de bancada e dos vizinhos do PCP), foi a senhora que usa bigode.

A discussão iniciou-se quando Nuno Melo (CDS-PP) anunciou que a sua bancada iria propor a alteração da idade para efeitos de inimputabilidade e afirmou a necessidade de censurar os criminosos e louvar a polícia. Ana Drago, talvez distraída a pensar nas suas barbies, não se apercebeu que não houvera qualquer menção à origem étnica dos criminosos e ripostou sacando a sua cassete da xenofobia. Foi um golo na própria baliza, diga-se, pois ao faze-lo foi ela própria quem deixou implícito que os jovens africanos (ou outras minorias étnicas) são o principal motor da criminalidade em Portugal.


dragostalin.jpg
O estilo estalinista de Ana Drago, uma diferente entre iguais.

Ao melhor estilo estalinista, a dirigente bloquista afirmou ainda que as afirmações de Nuno Melo “são uma vergonha para esta câmara e para a democracia”. De facto, fazer uso do direito de opinião é uma vergonha para o “conceito de democracia” de Ana Drago. Na verdadeira democracia, aquela que Ana Drago defende, o partido é detentor da verdade absoluta e quem cometa o delito de opinião tem direito a bilhete só de ida para a Sibéria.
Quem determina o que é uma vergonha é a Ana Drago e quejandos, ponto final.

O ponto mais alto (ainda mais alto) da intervenção de Ana Drago foi quando ela afirmou, e passo a citar “o que os senhores fizeram aqui é dizer que há duas e duas únicas soluções”. Continuando a citar, “ou aceitamos que a polícia (...) possa correr à bastonada quem é culpado, quem nem é culpado”, “ou então iremos encarcerar todos”, “ou talvez expulsar”. É verdade que uma socióloga não tem forçosamente que ser uma “expert” em matemática, mas convenhamos que contar até três também não é particularmente difícil.

Pelo lado dos criminosos alinhou também o saudosista de Estaline, António Filipe, do PCP. Para António Filipe, medidas de combate à criminalidade “são o discurso da demagogia e da intolerância”. Quanto à demagogia manifestamente não sabe o significado da palavra e portanto está perdoado. Mas quanto à tolerância, ficamos a saber que para o PCP, a criminalidade, como o arrastão de dia 10 ou o assassinato do jovem Mário Lopes no dia seguinte às mãos de um gang do “Kacem”, deve ser tolerada, até porque caso contrário há xenofobia.

Enfim, quando os dirigentes políticos são cúmplices dos criminosos, não há medidas contra a criminalidade que valham.

Ouvir debate completo em:
http://www.tsf.pt/online/portugal/interior.asp?id_artigo=TSF162138

6 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2006
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2005
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D