Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

politicaxix

politicaxix

21.Jun.05

Coisas estranhas se passam em Portugal

No passado dia 10 de Junho, ocorreu na praia de Carcavelos um arrastão que viria a atirar Portugal para as bocas do mundo. Em comentários na imprensa internacional podia ler-se mesmo que entráramos na era do “mass-crime”. O Diário de Notícias por seu turno noticiava então: “foi impossível contabilizar o número de assaltantes. Teriam sido 500? Mil? Dois mil? A fonte do DN, com vasta experiência profissional, não se coibiu de apontar para os dois mil.”

Surpresa das surpresas, uma semana depois, o número de assaltantes tinha decrescido para um máximo de 50. O criminologista Moita Flores explicava que a diferença de valores se devia a uma maquinação e a uma manipulação da informação por parte de forças políticas, com relação à extrema direita. Foi uma explicação em estilo Octávio Malvado, vocês sabem de que é que eu estou a falar. Ficamos sem saber se teria sido a extrema direita a orquestrar a maquinação ou se teria sido uma manobra de diversão de outras forças políticas.

Uma argumentação mais convincente e não menos imaginativa foi congeminada pelo editor da “Capital” Luis Osório. Num artigo intitulado “O arrastão que nunca existiu”, Osório chama a si a razão argumentando que quem acreditou no arrastão é racista. E pronto, contra argumentos destes não há nada a fazer. Para terminar em beleza, ele próprio assume ter sido racista nos primeiros dias, em que também ele acreditou no arrastão.

E pronto, foi assim. O mundo foi enganado. As pessoas que julgaram ter sido assaltadas, enganaram-se: perderam os seus bens no meio da confusão. Mas este desaparecimento de centenas de assaltantes de uma semana para a outra, não deixa de ser estranho.

------------------------------------------------------------------------------------------------------

Neste jogo que opõe simpatizantes das vítimas a simpatizantes dos criminosos, Jorge Sampaio tomou partido e visitou no passado sábado a Cova da Moura em Lisboa. Antes disso, consultou o embaixador de Cabo Verde, Onésimo Silveira, no sentido de apurar se seria segura a sua deslocação ao local. Não deixa de ser estanho, se atendermos a que Cova da Moura, pelo menos aparentemente, se situa em território Português.


Após obter luz verde do embaixador cabo-verdiano, Sampaio lá se deslocou à Cova da Moura rodeado de um batalhão de seguranças e ladeado de inúmeros jornalistas, cujas câmaras fotográficas sempre exercem um efeito dissuasor. A visita correu bem, e Sampaio saiu de lá afirmando que é um sítio cheio de gente boa, e pelos vistos seguro.
Enfim, todo este aparato para visitar um locar seguro como a Cova da Moura não deixa de ser estranho. Vamos lá ver se um dia destes depois de jantar, Sampaio se lembra de ir sozinho e incógnito tomar um cafézinho à Cova da Moura.

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2006
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2005
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D