Terça-feira, 5 de Julho de 2005
Make Inteligence History
No passado sábado, a organização “make poverty history” levou a cabo uma iniciativa sem precedentes contra a fome e pobreza em África. Bob Geldof y sus muchachos organizaram nada menos que oito concertos simultâneos em diferentes cidades do mundo, tendo mobilizado centenas milhares de pessoas e, mais importante que tudo, atraído a atenção da comunicação social do mundo inteiro. Foi exaustivamente repetido que não se pedia dinheiro a ninguém, pedia-se apenas às pessoas que se manifestassem e dessem força ao movimento, por forma a pressionar o grupo dos G8 (8 países mais ricos do mundo) a solucionar o problema da pobreza em África.

Mas a organização “make poverty history” (MPH) tem também ela um problema, e esse problema é que a sua vontade em mudar o mundo é directamente proporcional à sua falta de visão. Antes de mais, a organização está a enganar os seus apoiantes (o que também não será difícil) quando afirmam que não lhes é pedido dinheiro. É pedido dinheiro e muito, apenas não o é pedido directamente mas sim através dos seus impostos, o que vai dar ao mesmo. Além disso, pagam não apenas os seus apoiantes mas também os milhões de pessoas mais esclarecidas que em nada concordam com esta iniciativa. A referida organização esqueceu-se também de esclarecer os seus apoiantes que não se trata de uma ajuda financeira pontual aos países pobres. Com efeito, uma vez consumidos os recursos enviados, tornar-se-ão necessárias novas ajudas reguulares.

Além disso, a MPH esqueceu-se também de outro pequeno pormenor: não é o G8 quem governa os países pobres. Os países pobres têm os seus próprios governos e só estes podem tomar medidas no sentido de erradicar a pobreza. O G8 pode sim apoiar financeiramente estas medidas, mas elas terão sempre que ser iniciativa dos respectivos países. E os governos dos respectivos países parecem pouco interessados em tomar medidas que combatendo a extrema pobreza da população, combatem também a extrema riqueza dos seus governantes.


As medidas propostas pela MPH são também elas ineficazes e eventualmente contraproducentes. A primeira medida consiste no envio de uma substancial ajuda alimentar e financeira, mas pobreza e a fome não se combatem enviando alimentos e dinheiro para África. É verdade que os países desenvolvidos poderiam reduzir os efeitos desses flagelos simplesmente enviando dinheiro e comida em grandes quantidades, enquanto os habitantes desses países poderiam por exemplo ocupar o seu tempo a descansar na praia. Porém, tal aparente solução apenas iria agravar o problema. A população dos países Africanos, mesmo apesar da fome e das doenças, está a duplicar em muitos casos a cada 25 anos. Isto significa que dentro de um século, o esforço exigido aos países desenvolvidos seria dezasseis vezes maior e dentro de dois séculos e meio seria mais de mil vezes superior. Ou seja, os países desenvolvidos iriam sustentar artificialmente o crescimento demográfico em África até um ponto de ruptura, altura em que a fome e pobreza iriam regressar numa escala muito maior.

A segunda medida da MPH consiste na exigência “de um comércio justo”, mais concretamente, a MPH exige aos países desenvolvidos que NÃO subsidiem os seus agricultores e levantem todas as barreiras alfandegárias, ao passo que os países pobres possam subsidiar os seus. Esta ideia meio tresloucada, que se encontra muito difundida entre uma certa Esquerda politicamente correcta, carece de qualquer sentido. Em primeiro lugar, logo porque nos países desenvolvidos são atribuídos subsídios aos seus agricultores, não porque os respectivos governos gostem de gastar dinheiro, mas sim para evitar que parte da população caia na miséria. O que a MPH exige aos governos dos países desenvolvidos é então que estes criem um drama social nos seus próprios países. Quanto aos subsídios entregues aos agricultores dos países pobres, presume-se, seriam pagos pelos países desenvolvidos. Portanto, o conceito de “comércio justo” para a MPH consiste em que os países desenvolvidos deixem na miséria os seus próprios agricultores e passem a sustentar os agricultores dos países pobres. Mas não é tudo. Os agricultores dos países pobres possuem pequenas parcelas de terreno e famílias numerosas. Quando sobram algumas couves vão ao mercado da aldeia vender os seus produtos. Pensar que esta agricultura de subsistência pode competir num mercado global com a agricultura altamente mecanizada dos Estados Unidos, ou com mesmo com a agricultura de países como a China ou a Índia, só mesmo na cabeça destes activistas.


Há ainda mais um facto estranho. Para estes activistas, toda a pobreza existente nos países desenvolvidos se deve à injusta distribuição de riqueza, mesmo quando nesses países existem eficientes mecanismos de redistribuição de riqueza. Já nos países sub-desenvolvidos como Angola, em que 90% da riqueza do país incluindo ouro, petróleo e diamantes se encontra nas mãos dos amigos do presidente José Eduardo dos Santos, a questão da injusta distribuição de riqueza não é digna de qualquer menção.


Concluindo, o MPH apesar da sua aparência humanitária parece apenas ser composto por aqueles indivíduos que há uns anos andavam a incendiar carros e partir montras, e que hoje são demasiado respeitáveis para o fazer, No entanto, a motivação é a mesma: um ódio cego ao G8. Caso as medidas propostas pelo Make Poverty History vão avante, a única coisa que irá passar à História é mesmo a forma inteligente de abordar os problemas. A pobreza em África, essa agravar-se-á.

fitinhatrotskista.jpg
A fitinha trotskista que identifica os blogs de elevada moral e baixa inteligência


publicado por thestudio às 23:14
link do post | comentar | favorito

5 comentários:
De o caxaralho ta foda a 12 de Julho de 2005 às 18:13
Faxistas de merda...


De Joana a 6 de Julho de 2005 às 20:52
Comércio justo é que os países não africanos deixem de comercializar com África de modo a esta desenvolver a sua agricultura, segundo Chris Martin. Quanto à ajuda enviada para lá, devia haver fiscalização que garantisse que ia parar às mãos de quem precisa. Por mim, que se perdoe a dívida externa. Mas pronto, é só a minha opinião.

P.S.: O Live 8 foi espectacular, não só pelos concertos em si mas também pela causa.


De Rebatet a 6 de Julho de 2005 às 17:05
Boa análise Studio.


De bastonadasnacionais a 6 de Julho de 2005 às 10:41
Tem piada, esses meninos burgueses comunas que têm tudo, telemoveis, carros, poder económico para viajar até aos concertos e até às manifestações quererem lutar para ficarem pobres!! Se a crise já está instalada... então se abrimos as portas ao comércio "justo" (dizem eles), e os governos começam a tirar dinheiro dos orçamentos para enviar mais ajudas... alguém vai ter de se sacrificar... eu não me apetece muito sacrificar-me por isso! Tendo em conta que os governantes com maiores riquezas do mundo estão muito localizados, precisamente nesses países sub-desenvolvidos... eles q se sacrifiquem pelos seus povos, ou o povo que os obrigue a sacrificarem-se... eu é que não!


De Ana a 6 de Julho de 2005 às 08:59
O que é chocante é que pessoas subnutridas e, muitas delas doentes com HIV, consigam reproduzir-se desta maneira!


Comentar post

Contacto

 thestudio@sapo.pt

pesquisar
 

PARTIDOS DEMOCRÁTICOS PORTUGUESES:

_______

 BLOGS

Abrupto
Anjos e Demónios
Arrastão
Atlantys

 

Biblioteca de Babel
Bichos Carpinteiros
Biodesagradaveis
Blasfémias
Blog Anti blog
Boas intenções

 

Causa Nossa
Cegos Surdos e Mudos
Cinco Dias
Confraria do Atum

 

Demokratia
Diário de uma Boa Rebelde
Do Portugal Profundo

 

Faccioso

 

Gengibre Lilás
Grande Loja do Queijo Limiano

 

Império Lusitano
Impertinências
It's a Perfect Day Elise

 

Jardim do Arraial

 

Legião Invicta
Letras com Garfos
Lusitânia 88

 

Máquina Zero

 

Nova Frente

 

Observatório da Jihad
O Carvalhadas
O Crepúsculo
O Comunista
O Fogo da Vontade
O Insurgente
O Número Primo
O Triunfo dos porcos
O Velho da Montanha

 

Pena e Espada
Pictured Words
Política Maluca
Portvgvesa
Propriedade Privada

 

SG Buiça
Soberania e Nacionalismo
Some like it hot

 

The Flying Circus
Tomar Partido 2
Trinta e um da Armada

 

Último Reduto

 

REST IN PEACE
All pigs must die
Batalha final
Blog17
Blog Anti-Anacleto
Demokratia (antigo)
Dextera Vox
Galeria dos Horrores
O Número Primo (antigo)
Semiramis
Tomar Partido
posts recentes

...

Melhor marcador do Euro 2...

Euro 2012 odds

Xadrex Comb. (1)

A um amigo que discorda (...

Aventuras do Eng. Pinóqui...

Hello Boys !!

Assim vai Portugal

Acampamento de jovens do ...

Coincidências

arquivos

Junho 2012

Junho 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Março 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

blogs SAPO
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post