Domingo, 10 de Julho de 2005
Alberto João Jardim
albertojardim.jpg

A minha primeira memória de Alberto João Jardim vem dos tempos de faculdade, e é a de uma notícia publicada em destaque no semanário Independente. Aparecia uma grande imagem de Jardim à qual era associada a frase “O que me preocupa é o problema da banana”. Depois de uma risota a figura foi recortada e colocada no “placard” da faculdade onde eram compiladas as patetices dos políticos.
Mais tarde, prestando maior atenção aos seus discursos e posições políticas, comecei a compreender que, apesar de numa primeira impressão poder parecer tratar-se de uma personagem apatetada, o homem é exactamente o contrário, uma pessoa inteligente e que sabe o que diz.

Recentes declarações sobre imigrantes Chineses na ilha da Madeira lançaram sobre ele um chuva de críticas. Do Bloco de Esquerda ao CDS/PP passando por diversas organizações não partidárias, o coro de críticas foi unânime. Dias mais tarde, Alberto João Jardim reiterou a sua posição não retirando uma vírgula ao que dissera. Levanta-se aqui uma questão pertinente: Porque razão não disse Jardim exactamente o contrário daquilo que disse? Porque razão não afirmou Jardim que os imigrantes Chineses eram uma mais valia para a ilha, e que o seu contributo seria positivo e bem vindo? Estas palavras ter-lhe-iam valido um coro de aplausos e elogios e, quem sabe, poderia até vir a ser agraciado pelo padre Vaz Pinto. Não seria muito mais lógico e vantajoso para Jardim?

Para tentar responder a esta questão há que compreender quais os padrões éticos e morais pelos quais se rege a classe política portuguesa. No dia 7 de Julho ao serão, António José Seguro explicava na RTP1 que o terrorismo era causado pela pobreza em que vivem os terroristas. Exactamente há mesma hora, o também socialista António Vitorino explicava na SIC Notícias que a pobreza não é a causa do terrorismo. Aliás, este é também o mesmo António Vitorino que no início de Março em grande entrevista à RTP afirmou que a pobreza é a causa do terrorismo.
Não são necessárias grandes capacidades dedutivas para perceber que os atentados de Londres só podem ter sido cometidos pela comunidade imigrante islâmica residente em Inglaterra. Aliás, o primeiro suspeito é já um Árabe de nacionalidade Inglesa. Porém o Primeiro Ministro José Sócrates afirmou que não há qualquer relação entre imigração e os ataques terroristas de Londres, tendo António Vitorino elogiado tais palavras enaltecendo a coragem do Primeiro Ministro. Evidentemente que não é necessária coragem para se afirmar algo que é verdade. É-se precisa coragem sim para mentir aos eleitores, não para dizer a verdade. Isto prova que a classe política diz aquilo que pensa que os deixará bem vistos e não a verdade.
No caso do arrastão, por entre aqueles que acham que o arrastão não existiu, e aqueles que acham que foi cometido em grande parte por brancos, nenhum político considerou haver qualquer relação de causalidade entre o arrastão e políticas da imigração. A deputada Ana Drago chegou mesmo a exigir ao deputado Nuno Melo que afirmasse explicitamente não haver qualquer relação, coisa que ele fez. Já o embaixador de Cabo Verde em Portugal afirmou na capa do Expresso, e passo a citar, “Carcavelos é a ponta do tsunami de uma geração que encara a criminalidade como um desígnio normal”. Há aqui qualquer coisa que não bate certo.


Mas estes não são todos os sintomas. A propósito da adesão da Turquia à UE, todas as sondagens revelam que mais de dois terços dos eleitores Portugueses são contra. Os partidos políticos, que em democracia representam os eleitores, esses por alguma razão estranha são todos a favor, mesmo sabendo que as consequências serão desastrosas. A propósito da imigração a grande maioria dos eleitores não quer mais imigrantes em Portugal. Também aqui, os políticos não só não representam os cidadãos como ainda recorrem a métodos pouco democráticos para controlar a opinião pública como por exemplo através da propaganda do ACIME, estrutura da Presidência do Conselho de Ministros, ou em debates televisivos nos quais só participam intervenientes que defendem a imigração.


É assim possível entender o que move toda uma classe política contra Alberto João Jardim. Concorde-se ou não com ele, Jardim não é hipócrita, não mente deliberadamente para retirar dividendos políticos, e mais importante que tudo, representa os seus eleitores. A restante classe política é precisamente o oposto. É-lhes indiferente a opinião dos seus eleitores e defendem apenas posições que lhes permitam aspirar a benefícios próprios.

E é por isso que o criticam, criticam-no em nome da democracia mas são os primeiros a desconhecer o significado do termo, criticam-no em nome de uma moral que não têm. A classe política pode estar contra Jardim, mas o seu eleitorado, os cidadãos comuns, estão do seu lado. Alberto João Jardim merece mais respeito que o resto da classe política toda junta.


publicado por thestudio às 05:26
link do post | comentar | favorito

14 comentários:
De FERREIRA a 25 de Julho de 2005 às 18:55
GOSTEI IMENSO DO TEXTO, POR SER A VERDADE, O SR DR ALBERTO JOAO, LUTA CONTRA O IMPERIO DOS SENTADOS, E NÃO É NADA FACIL PARA ESTES OUVIREM VERDADES.



De Anónimo a 22 de Julho de 2005 às 15:52
dizer q alberto joao jardim é inteligente diz muito de uma pessoa


De Anonymuz a 15 de Julho de 2005 às 18:45
Acho indecente alguem defender os politicos que apesar de "meninos de escola", nao passam de uns grandes hipocritas sem o menor caracter.
Pelo menos o Jardim diz o que pensa, contrariamente aos outros, que so mostram o que sao depois de espetada a faca nas costas!
O ódio ao AJJ é já realmente bem conhecido, é uma espinha que estes hipocritas e "meninas bem" têm atravessada na garganta!
Muitas ameaças já fizeram ao homem, mas até agora não passa tudo de "vento" nos nossos ouvidos! E assim vai continuar, apesar do ódio latente, na pratica não conseguem nada contra ele pois nada têm!
Bravo mestre AJJ!

Cumprimentos camarada TheStudio!

Anonymuz


De xipsocial a 14 de Julho de 2005 às 02:19
Oh studio, o azeite tem razão, e o caxaralhotafoda na posta mais abaixo também...já viste a posição em que te colocaste?


De FilipeBS a 13 de Julho de 2005 às 15:58
Parabéns pela lúcida análise!


De Vtor Sousa a 13 de Julho de 2005 às 03:39
Se quiser, forneço-lhe um extenso rol de endereços, onde será confrontado com factos que derrubam o escudo com que pretende envolver esse lorpa da minha terra.


De azeite a 12 de Julho de 2005 às 20:43
É óbvio que o sr the studio não levou reguadas suficientes quando andou nos bancos da escola primária. Se tal tivesse acontecido, talvez tivesse aprendido a escrever a língua da pátria que tanto defende com a correccção que ela nos merece.
Quando aqui se lê "Exactamente há mesma hora(...)" deveria ler-se "Exactamente à mesma hora(...)". Neste contexto, devemos empregar não a forma verbal do verbo haver, mas sim a contracção entre a preposição "a" e o determinante artigo definido "a".
Eu sei que a sua facha cabeça decorou um dia que quando falamos de tempo se emprega o verbo haver. por isso, o salto lógico é utilizar esta forma verbal quando se utiliza a palavra "hora". Pois! Mas eis um salto lógico para o abismo. O sr the studio não se refere a uma passagem de tempo, refere-se a um momento determinado no tempo; refere-se ao "quando" aconteceu alguma coisa e não "há quanto" tempo essa coisa aconteceu.
Já há dias deparei com um erro deste grosseiro calibre ser exibido num blog como o mar salgado. Começo agora a compreender que a direita portuguesa tem bastas razões de queixa do ensino em portugal. Culpem lá os pretinhos por não saberem gramática!
Feita a correcção à laia de mestre-escola, ficaria por corrigir o pensamento aqui desenvolvido. Mas se me dou ao tempo para defender como posso a língua que tanto prezo, não farei o mesmo para me intrometer nas convicções de alguém que já deve ser crescidinho o suficiente para saber o que quer.
Se tanto preza o sr da madeira, preste-lhe lá uma visita e não se apresse a voltar a este fétido continente. Uma medida que, por certo, contribuiria para o nosso recíproco contentamento.


De adryka a 12 de Julho de 2005 às 17:55
Chamem-lhe o que quizerem digam dele o que disserem, mas é o unico politico que conheço que chama os bois pelo seu proprio nome, parabéns Alberto João.


De annimo a 12 de Julho de 2005 às 00:06
"No caso do arrastão, por entre aqueles que acham que o arrastão não existiu, e aqueles que acham que foi cometido em grande parte por brancos, nenhum político considerou haver qualquer relação de causalidade entre o arrastão e políticas da imigração"

A verdade é que não houve arrastão. Aquilo que se lê nos jornais nem sempre corresponde à verdade e é preciso ter cuidado quando se opina com base em *lixo para vender jornais*.


De Emanuel Saramago a 11 de Julho de 2005 às 18:28
baaaaahhhhh!!!!


Comentar post

Contacto

 thestudio@sapo.pt

pesquisar
 

PARTIDOS DEMOCRÁTICOS PORTUGUESES:

_______

 BLOGS

Abrupto
Anjos e Demónios
Arrastão
Atlantys

 

Biblioteca de Babel
Bichos Carpinteiros
Biodesagradaveis
Blasfémias
Blog Anti blog
Boas intenções

 

Causa Nossa
Cegos Surdos e Mudos
Cinco Dias
Confraria do Atum

 

Demokratia
Diário de uma Boa Rebelde
Do Portugal Profundo

 

Faccioso

 

Gengibre Lilás
Grande Loja do Queijo Limiano

 

Império Lusitano
Impertinências
It's a Perfect Day Elise

 

Jardim do Arraial

 

Legião Invicta
Letras com Garfos
Lusitânia 88

 

Máquina Zero

 

Nova Frente

 

Observatório da Jihad
O Carvalhadas
O Crepúsculo
O Comunista
O Fogo da Vontade
O Insurgente
O Número Primo
O Triunfo dos porcos
O Velho da Montanha

 

Pena e Espada
Pictured Words
Política Maluca
Portvgvesa
Propriedade Privada

 

SG Buiça
Soberania e Nacionalismo
Some like it hot

 

The Flying Circus
Tomar Partido 2
Trinta e um da Armada

 

Último Reduto

 

REST IN PEACE
All pigs must die
Batalha final
Blog17
Blog Anti-Anacleto
Demokratia (antigo)
Dextera Vox
Galeria dos Horrores
O Número Primo (antigo)
Semiramis
Tomar Partido
posts recentes

...

Melhor marcador do Euro 2...

Euro 2012 odds

Xadrex Comb. (1)

A um amigo que discorda (...

Aventuras do Eng. Pinóqui...

Hello Boys !!

Assim vai Portugal

Acampamento de jovens do ...

Coincidências

arquivos

Junho 2012

Junho 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Março 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

blogs SAPO
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post